sábado, 20 de agosto de 2011

Jornada Mundial da Juventude 2011 encantos e desencantos para 2013


     Nestes dias se realiza a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) em Madrid. Um encontro iniciado por João Paulo II em 1985 com enorme sucesso, nos anos seguintes ultrapassou o número de um milhão de jovens por evento. O objetivo é reunir os jovens católicos numa peregrinação e reafirmação da fé junto ao sucessor de Pedro. Algo encantador para todos os cristãos, que poderia se tornar um evento que reúna todos e mostre para o mundo esta luz de Cristo, sempre vivo. Nada melhor que a juventude para mostrar isto, lembrando que João o apóstolo que nunca abandonou Cristo e tornou-se o cuidador de Maria era o mais jovem dos apóstolos. O governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, conforme artigo do Jornal do Brasil de hoje http://www.jb.com.br/rio/noticias/2011/08/20/rio-fara-jornada-da-confraternizacao-de-jovens-de-todas-as-religioes/ espera este nível de confraternização, que a juventude se reúna, assim como em Madri, no Brasil em 2013. 
      Isto mesmo! em 2013 se realizará no Brasil as vésperas da copa do mundo a JMJ. Certamente este encontro encantador se tornará desencanto. Não tenho medo de errar nesta futorologia e vou explanar as razões; Vemos nos noticiários os custos para JMJ 2011 em Madrid, por sinal no Brasil, na imprensa laica, só aparece isto, as manifestações até de sacerdotes, que o encontro num momento de crise econômica é inoportuno. No entanto, retirando a antipatia ao Papa ou a Igreja Católica o argumento dos gastos não se sustenta, pois os 30 milhões de euros serão facilmente repostos pelos peregrinos, em gastos variados. Com certeza a JMJ dará lucro para cidade de Madrid, pois algumas contas simples podem ilustrar o que cerca de 2 milhões de jovens gastarão na cidade e arredores fazendo turismo, alimentação e no setor hoteleiro. Pude acompanhar o esforço de uma das educadoras que trabalha na minha escola de educação infantil, para juntar dinheiro para poder viajar tranquila. Mesmo sendo patrocinada em boa parte da viagem pela Arquidiocese  de Curitiba, por ser uma das principais colaboradoras na Pastoral da Juventude Estudantil (PJE). Ela fará parte daquele grupo de jovens que irá para gastar o básico, sem luxo, o objetivo é o encontro com o Papa. Pegando por base ela que levará seu suado dinheirinho para Madrid e os jovens que estão peregrinando de outros países a Espanha lucrará no mínimo 10 vezes mais o que está sendo investido. Desta forma, o argumento dos gastos contra a jornada só convence os desinformados. Isto mantém o encanto até em questões financeiras para o país sede. 
        No entanto, em se tratando de Brasil será um erro estratégico realizar a JMJ em 2013. O país em 2011, com graves atrasos, está iniciando suas maiores obras para copa do mundo de 2014. Está claro que os maiores interessados nestes atrasos são as grandes empreiteiras, que com o argumento de fazer tudo as pressas colocarão vários aditivos nos orçamentos para as obras. O que a JMJ-Brasil terá a ver com isto? tudo. Tenho certeza que este encontro juntará mais de 3 milhões de jovens no Rio de Janeiro em 2013, como a cidade organizará isto em meio ao canteiro de obras as vésperas da Copa do Mundo de 2014?! Fácil! Superfaturando as principais obras de infraestrutura para terminar em tempo recorde. Se assim não for garanto que será um caos no RJ a JMJ-Brasil. Alguém já viu um evento sendo realizado enquanto o local está em obra, para um evento maior? pois é, se as empreiteiras não faturarem uma montanha de dinheiro podem esperar um desastre anunciado...
      O que me pergunto é porque a candidatura do Brasil para JMJ2013?! ;  se em 2015 ou 2017 seriam datas perfeitas, visto que o Brasil já teria toda infra-estrutura obrigatoriamente pronta, para Copa do Mundo2014 e Olimpíadas2016. Principalmente em 2017, que os dois eventos mais importantes do esporte mundial já terá sido realizado e o país estará tranquilo, cheio de investimentos e apenas o futuro a frente...

       Enquanto o futuro não chega podemos contemplar e orar com os jovens que estão em Madrid, neste domingo dia 21 ás 4:30 am (horário do Brasil) o Papa rezará a missa e as 17:45 terá um documentário sobre a JMJ na rede Canção Nova, estarei assistindo e me prepararei para ajudar na JMJ-Brasil em 2013, ano da minha formatura em teologia na PUCPR. Mesmo considerando a data um erro estratégico, fomentador de corrupção e injustiça social. Como também o Espírito Santo age na Igreja, que a presença do Papa e da oração de todos os jovens presentes em 2013 possam minimizar estes fatores de desencanto. 

      
          

   

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Filme "O Ritual" chegando nas locadoras

     No final do mês de julho chega nas locadoras de todo Brasil o melhor filme sobre exorcismo já realizado. Com estrelas de primeira grandeza,  O ritual,  deve chegar mais rapidamente em DVD e logo em seguida em Blu Ray, nas lojas virtuais encontra-se para pré-venda DVDs, para receber em 10 dias. A estória não deixa a desejar e mesmo quem não é Católico gostará do filme. Para quem é católico alguns pontos são mais fáceis de serem entendidos no filme. Principalmente a presença de questionamentos racionais em torno da fé. Alguns poderiam questionar que os exorcismos não tem nada de racional. No entanto se equiparamos o que vemos sendo realizado aqui no Brasil, exorcismos no atacado, nas Igreja Pentecostais. O formato de exorcismos e critérios da Igreja Católico aproxima-se de uma metodologia científica, mas se permitindo ir além da razão e esforçando-se para entender o fenômeno paranormal, que vem do mistério. 

     Conceituando mistério é aquilo que foge da compreensão humana, aquilo que o método científico cartesiano não alcança ou tem graves dificuldades em explicar e demonstrar empiricamente que existe. Então, a princípio, concebe-se que não existe cientificamente. Mas no sentimento das pessoas que presenciam e sentem é difícil provar para elas que isto não existe. O mistério existe porque existe a fé. A fé é mais profunda e existente quanto mais se deixa mergulhar no mistério. Os fenômenos de possessão demoníaca é o mistério que mais inquieta o ser humano. Porque é parcialmente visível, mas difícil de se entender. Um milagre pode ser difícil de entender, mas é algo que provém do bem, aplicado a manifestação de Deus. Já o fenômeno da possessão é a ausência total de Deus e isto é apavorante. Dizer que Deus está ausente em nossa sociedade, visto que excluímos Ele para sermos laicos, é coerente. Algo que entristece quem é religioso. No entanto a ausência total de Deus, que é um fenômeno diabólico puro, o inimigo tanto abordado nas Sagradas Escrituras como algo real e atuante é verdadeiramente assustador.

     Algumas linhas teológicas negam a existência de uma entidade maligna real, como sendo algo simbólico, na verdade é o que deixa de ser simbólico para Igreja é diabólico, mas num sentido mais racional e filosófico, sem que seja algo real. No entanto, as autoridades do magistério da Igreja como o Cardeal Brasileiro, Presidente da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil, respondeu de forma enfática que "sim o demônio é real" em resposta ao entrevistador no momento 9:10 . Por sinal o vídeo inteiro é muito bom.



    Apenas com este vídeo entende-se bem os conceitos teológicos no filme, do porque, por exemplo; o demônio não tem força diante daquele que é blindado pela fé em Jesus Cristo.
     

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Paradoxos dos neurocientistas

        " Há mais coisas entre o céu e a terra, Horácio, do que sonha a nossa vã filosofia." Hamlet (Shakespeare)

        A moda da neurociência tem um motivo claro Prof. Miguel Nicolelis. Cientista reconhecido em todo mundo, cotado para ser prêmio nobel e um brasileiro ufanista, tem desenvolvido várias pesquisas de ponta no Rio Grande do Norte; uma de suas pesquisas está relacionada com famílias carentes da periferia de Natal, as mães são acompanhadas desde a gestação, para que as crianças possam ter todas as oportunidades para um aprendizado completo. Até aí aparentemente não se vê problema algum. No entanto, quando vemos neurocientistas dando entrevistas ou em palestras como presenciei na Conferencia Internacional de Educação nos deparamos com um tipo de prepotência nada saudável. Não se vê estas pessoas com dúvidas, este é um aspecto assustador, principalmente para quem se diz ateu ou pelo menos não seguidor de dogmas, verdades absolutas. Todas as respostas estão nas teorias sobre as conexões cerebrais, com suas sinapses, neurotransmissores... no mapeamento do hipocampo, lobo temporal, frontal,... enfim, vem com o neurocientês para provar que até Deus é criação de um modelo gerado no cérebro. A dúvida, o questionamento é o que nos torna Homo Sapiens Sapiens, seres que pensam e sabem que pensam. O mistério que intriga o ser humano e instiga o ser cientifico é a dúvida. Tudo que gira em torno do existir humano os neurocientistas pensam que já conseguiram ou que detém as respostas, e estas estão nas estruturas do cérebro. E eles deixam claro que é a estrutura do cérebro fisico, este negócio de mente, espírito além do cérebro físico faz parte apenas do imaginário, que o próprio cérebro físico em todas as suas conexões neurais consegue criar. Contudo entramos num paradoxo...
       O paradoxo é o seguinte; O Dr Nicolelis realiza pesquisas no mundo real onde também seu cérebro físico está localizado. Ele estuda e elabora teses, por fim absorve experiências e resolve desenvolver um método para novas pesquisas e se aprofundar no estudo. Para isto ele utilizou o mundo que chamamos de imaginário. Segundo ele está localizado no próprio cérebro físico, que cria modelos de realidade e até mesmo nossa concepção de Deus e religiões,  mas o insight que ele teve para desenvolver uma técnica inovadora que nenhum outro cientista utilizou, que é original dele e apenas dele, e provavelmente ganhará o prêmio nobel por isto, foi criado por que tipo de conexão já construída em seu cérebro físico? 
        Porque para ele elaborar uma teoria e esta tendo vindo do cérebro físico, este em contrapartida tem que ter estabelecido a conexão para isto, mas se é algo original, como estas conexões foram estruturadas antes de ele criar o novo? sendo novo para humanidade, como o cérebro físico cria conexões para realizar isto, pois nunca foi visto e experimentado por ele?   vamos mais além, como ele pode provar, visto que a ciência empírica a qual ele se fundamenta é embasado em provas cabais, como ele pode provar que este insight que produz o novo é produzido por conexões neurais físicas?



         Creio que para elaborarmos isto melhor precisamos de alguns conceitos; primeiro o que é mundo real? seria o físico. Mas o que é o físico? tudo que tocamos; o computador que estamos acessando, a tv, nossa casa, o corpo físico, nossa cabeça, nosso cérebro, os impulsos nervosos no cérebro, a corrente elétrica ....isto é real certo?! O mundo imaginário seria aquilo que o cérebro físico cria como modelos, Deus, as religiões, filosofias, teorias de senso comum, teorias científicas?! será que podemos incluir também?! continuamos.... as histórias infantis, as obras literárias, a música etc... tudo criado pelo cérebro físico humano, segundo boa parte dos neurocientistas ateus, conforme o arranjamento de suas conexões.... isto é o imaginário certo?! Agora vamos enquadrar o ser humano que dorme e sonha. No estado mais profundo do sono o REM, acredita-se que sonhamos, embora o sonho também pode se realizar no estado de vigília, mas mais superficial, parecido com o que fazemos quando estamos desatentos e "viajamos" mesmo acordados, ainda conscientes. Superficialmente nos projetamos para fora da realidade física, vamos para o passado ou para o futuro, mas tudo bem ainda estamos num estado consciente ou parcialmente conscientes. Nesta situação as conexões cerebrais podem estar sendo geridas por nós, no mundo real real (mundo físico-cérebro físico) e no mundo imaginário real (pensamento-cérebro físico) e ainda temos consciência disto. Mas o que acontece no estado REM, quando suspendemos nosso estado perceptivo-sensorial e motor voluntário, entrando num estado de relaxamento, mas ao mesmo tempo de caos nervoso, pois não há uma consciência voluntária das conexões nervosas. 
       Em algum instante neste processo iniciamos um sonho lúcido, aquele que todos já tivemos; sabemos perfeitamente descrever a situação, com cores, cheiros, uma pessoa em especial, conversamos, temos conflitos, relações amorosas e de repente acordamos e nos damos conta que nada daquilo era real....não era real?!... mas também podemos afirmar que não era imaginário.

         A dificuldade em fazer um estudo sério quando estamos limitados a um enquadramento cientificista é evidente. No momento em que restringimos tudo ao mundo físico e ao cérebro talvez encontramos um conforto no controle, controlarmos tudo é um sonho antigo da humanidade. A Bíblia tem dois relatos sobre isto, um é sobre a torre de Babel quando o homem que quer ser imponente e mostrar todo seu poder, levanta um monumento em homenagem a si mesmo até os céus e sofre uma punição; que é a de não ter mais a possibilidade de se comunicar claramente uns com os outros. Mas a que melhor relata esta nossa necessidade de controle e que nos distancia de Deus é quando Eva e Adão resolvem comer o fruto da árvore do bem e do mal, a soberba de controlar tudo. Não basta o controle das coisas que Deus deixou sob seu domínio precisa controlar até o que está sob o domínio divino e assim querer Ser Ele. 
          Aqui não estou desestimulando a pesquisa cientifica, justamente ao contrário acho que elas são dons de Deus, a Ciência é colocada pela Igreja como um dos Dons do Espírito Santo muitos séculos antes do racionalismo. Onde os pensadores da Igreja como Hugo de São Vitor séc. XI, São Tomas de Aquino séc XIII, etc... fizeram eco nas palavras de Aristóteles que; "toda ciência é boa". No entanto, esta forma de agir de alguns grupos de cientistas; como detentores de todas as respostas, principalmente sobre o existir humano e fechar num amontoado de carne que virará pó é no mínimo ignorância. 
         O próprio Dr Nicolélis não o imagino como um amontoado de carne, que conseguiu, de forma aleatória estabelecer conexões neuronais que proporcionou a ele as condições para pensar soluções, mesmo que pontuais, para resolver problemas humanos. Assim como não imagino Alexandre Magno como este mesmo amontoado de carne que também de forma aleatória em seu cérebro estabeleceu-se conexões, para difundir e dar a base para o mundo ocidental, por meio da língua grega e sua filosofia. Alguns séculos depois foi utilizada pelos Evangelistas e Padres da Igreja para difundir para toda terra o pensamento de Jesus Cristo. Todos estes olhar como amontoados de carne que estabeleceram novamente por meio de conexões aleatórias do cérebro físico uma forma de pensar totalmente diferente do que estava estabelecido em sua época, de dominação do Império Romano e milhares de pessoas se sacrificarem por esta Verdade. 
       Gostaria que os neurocientistas fizessem um estudo sério de mapeamento comprovatório sobre os temas que abordei, começando pelos nossos sonhos lúcidos, passando por como elaboramos teorias científicas novas e como nos manifestamos espiritualmente...negar evidências é algo que nos distância da verdade. Reconhecer as limitações do estudo e método que praticamos insere virtudes, como a humildade, em todos os estratos da nossa sociedade e permite que sejamos Humanos e plenos, mesmo admitindo nossos mistérios e o que vai além de nós. 

        "Aquilo que hoje está provado, não foi outrora mais do que imaginado." William Blake



domingo, 17 de julho de 2011

Sempre presente!

Olá amigos do Blog, quase fez 3 meses que não escrevo aqui no blog. Colocar conteúdos mais extensos requer tempo, coisa que me faltou até este final de semana. O terceiro período de teologia na PUCPR foi intenso e o final de semestre acumulou trabalhos. Muita leitura, resenhas, resumos.... como se não bastasse a faculdade o empreendimento da nova escola exauriu minhas energias... na última semana o Congresso Internacional de Educação fechou este ciclo...a partir desta semana poderei trabalhar mais organizado nos diversos projetos, pois em férias na Teologia e equipe formada na escola facilita tudo.... no twitter raros dias fiquei sem postar algo, pois utilizo ele como meio de informação rápido, para me manter atualizado em pequenos intervalos do dia... então esta foi a atualização do blog nas últimas semanas, mas neste mês pretendo colocar em dia as postagens aqui em respeito principalmente aos leitores que diariamente acessaram o blog; devido a conteúdos já postados e claro a minha necessidade de compartilhar o conhecimento adquirido, que não foi pouco neste primeiro semestre de 2011.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

As virtudes do Padre Pio de Pietrelcina, que o tornaram Santo

           Obrigado ao colaborador e amante das coisas de Deus Anderson Roberto da Silva, que sugeriu este tema para o blog... 

           As graças que Francesco recebeu desde criança todos conhecem, ver Jesus, Maria... se assustar com perseguições demoníacas, ser incessantemente chamado a vida em Deus em seu coração ou por pessoas próximas... Logo que se tornou Frade e recebeu o nome Pio outras graças o consagraram definitivamente; como os estigmas de Cristo, pés, mãos e peito com as marcas da crucificação do Senhor...bilocação, cura, profecia... Perseguição insistente e em diversas formas de Satanás; como cão raivoso, por meio de pessoas induzidas a não permitirem que fossem feitas as coisas de Deus, em forma de uma imagem de padre em seu confessionário e cela, onde teve embates físicos, foi literalmente surrado, seu quarto destruído várias vezes nestas circunstâncias. Outras vezes aparecia em forma de chamas e nas tentações em relação a seu celibato...

          Estas graças, algumas mais suaves outras tenebrosas, expuseram o homem Francesco, Padre Pio de Pietrelcina, a uma tensão interna, angústias e reações que precisavam de respostas de seu íntimo, de seu livre arbítrio, principalmente no início de sua existência, e as respostas que ele deu a tudo isto o tornaram Santo. As graças de Deus são o chamado e as respostas ao chamado pelo homem. Mas o homem tem o livre arbítrio de responder afirmativamente ou negativamente. Francesco poderia ignorar, não querer ver ou viver aquilo. Limitar todas as suas graças ao invés de potencializá-las. Quantas pessoas recebem inumeráveis graças de Deus e a transformam em instrumento de vaidade ou fama vazias... Para ganhar dinheiro e ambições sem limites, apenas para ver acumular seus patrimônios... Para se engrandecer intelectualmente e ostentar títulos... Quantos talvez fossem agraciados para receberem as chagas de Cristo, mas escolhem caminhar rumo as bençãos do mundo...

             Padre Pio de Pietrelcina foi canonizado pela Igreja porque em resposta a todas as graças ofertadas por Deus ele acenou com a cabeça positivamente e a exemplo de Cristo disse: "não faça segundo a minha vontade, mas a Tua." Lc (22,42). Sendo um homem piedoso, orava de forma constante, mantinha sua fé e esperança sempre em alto grau de comprometimento. Diante destas situações agia com a humildade também a exemplo de Cristo no "Lava pés" Jo (13,8-16) se dispunha dia e noite estar a serviço. Disponível para os sacramentos, principalmente a  Penitência (Confissão) e Eucaristia, para aconselhar e receber as dores dos semelhantes. Oferecedo-as a Deus. Realizando isto não somente no campo místico, transcendente, mas também na realidade e necessidades imanentes das pessoas. Alimentando-as e curando nos seus projetos; dentre eles um hospital reconhecido por sua qualidade e atendimento a todos os tipos de pessoas, chamado Casa alívio do sofrimento. Expressando-se em todos os campos em que a Caridade pudesse ser realizada por um ser humano. Como se não bastasse isto era prudente e temperante, principalmente em sua atitude respeitosa aos designios de Deus e Sua autoridade dentro da Igreja, que ele reconhecia nos seus superiores de congregação, nos Bispos e no Papa. Por fim, sua Força até o último dia de vida em enfrentar o maligno e ser sinal do reino de Deus na terra. Vê-se em sua última missa, que mesmo sem conseguir caminhar e com saúde completamente debilitada se propõe até o último momento estar a serviço e ser instrumento do Pai. 

            

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Padre Pio de Pietrelcina, surpresa na exumação IV

          Independente da incorrupção do corpo ou dos estigmas a atração que ele exerceu sobre as pessoas, as curas e conselhos nas infinitas confissões que recebia, durante todos dias, impactava todos os que o procuravam. Coisas que não podem ser forjadas ou colocadas em dúvidas, devido a milhares de testemunhos e do próprio Papa João Paulo II, que recebeu a profecia dele de que seria Papa, décadas antes do ocorrido. Sinais de um verdadeiro profeta, bons frutos, e exemplo de pleno convertido no caminho de Jesus Cristo. 
           A parte 5 e a última missa realizada pelo Padre Pio estão no You Tube. O filme Padre Pio trabalha os diversos aspectos debatidos e outros em relação aos seus embates com o Demônio, que se apresentou para ele de diversas forma.



      

Padre Pio de Pietrelcina, surpresa na exumação III

        Na terceira parte entra no tema do programa, que é a exumação do corpo e o bom estado de conservação, incorrupto. Como ele se  tornou um mistério, para Igreja, meio científico e para si próprio, pois ele mesmo assim se via, não sabia explicar porque Deus o havia dotado de tantas graças surpreendentes.      Verdadeiro instrumento de fé em direção a Cristo. No link os documentos do Vaticano confirmando sua Santidade, após criteriosa pesquisa. Para que toda Igreja, possa Venerá-lo como exemplo na vida em Cristo.  Foi canonizado em 2002, São Pio de Pietrelcina.                                                                 http://www.vatican.va/news_services/liturgy/saints/ns_lit_doc_20020616_padre-pio_po.html 



 

Padre Pio de Pietrelcina, surpresa na exumação II

       Neste segundo video mostra o corpo incorruptível. Outra surpresa foi o total desaparecimento dos estigmas, sem deixar nenhuma marca, contradizendo seus críticos de que utilizava ácido ou se feria de alguma forma, pois no mínimo deixaria algum tipo de cicatriz. Os debatedores agregam algumas informações importantes sobre a personalidade devota a Deus e fiel a Igreja. Além dos muitos dons de Padre Pio; como bilocação (estar em dois lugares ao mesmo tempo) , profecia, cura e as chagas de Cristo.



  

Padre Pio de Pietrelcina, surpresa na exumação


         Neste programa espanhol mostra um debate sobre a exumação do corpo do Padre Pio em 2008,   ao aniversário de 40 anos de sua morte. Mesmo para quem tem dificuldade no espanhol se prestar atenção consegue entender bem, pois além dos debatedores falarem de forma pausada eles utilizam bastante recurso de imagen.


sábado, 16 de abril de 2011

Final da Quaresma, Paixão e Sábado de Aleluia

   Nexta sexta-feira nos encaminhamos para o último final de semana da Quaresma, neste sábado que completa os 40 dias desde a quarta-feira de cinzas. O Domingo de ramos inicia a semana santa. Celebração da entrada triunfante de Jesus em Jerusalém, recebido por seus seguidores com ramos e montado num burro. Tudo isto para que fossem cumpridas todas as profecias, neste caso Zacarias (9,9). 
    No entanto, este reinado sobre a terra seria manifesto com a confirmação da Revelação plena do Reino de Deus. Na celebração da Páscoa Judaica o holocausto oferecido no templo era um animal, conforme as posses de quem oferta o tipo de animal. Mas na Páscoa do ano 30 d.C a oferta seria o próprio homem -Deus, Jesus Cristo, que se faria sacrifício. 
    Na semana santa celebra-se os últimos passos de Jesus, seu sofrimento diante das dores que virão, a instituição da eucaristia, na última ceia, o momento de deixar claro que o ato de servir, no lava pés e sacrificar-se são fundamentos da proposta de Deus aos homens. Ele se faz exemplo de sacrifício para toda humanidade. Assim como ensinou que os grandes mandamentos são; Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo, a exemplo Dele, Jesus, que sendo homem verdadeiro sentiu a nossa fraqueza, mas se manteve firme no propósito do Pai, como instrumento para Revelar o Reino de Amor. (Mt 26,37-39)  (Mc 14, 34-37) (Lc 22, 42-45) (Jo 17, 1-26)

     Nesta semana santa em particular, devido ao feriado de Tiradentes teremos a oportunidade de estar na quinta-feira, dia da última ceia, completamente disponíveis, para celebrar em profundidade. Preparar-se para sexta-feira da paixão e no sábado de Aleluia reforçar nossos votos de batismo antes da missa da Páscoa.
    Na Catedral de Curitiba, assim como todas as Catedrais, sedes dos Bispos espalhadas pelo Brasil, é realizado o rito mais belo de todo ano litúrgico. A celebração tem em torno de 2 horas, celebrada pelo Arcebispo local. Rememora a vígilia de espera da ressurreição, neste momento são abençoados a água, que servirá para o batismo de novos cristãos no decorrer do ano, e o fogo que acenderá o Círio Pascal que representa o Cristo( Alpha e Omega) sempre vivo na Igreja. Para a maioria dos Católicos que foram batizados criança, este é o momento ideal para confirmar os votos do batismo, agora como adultos, conscientes da responsabilidade da vida em Cristo. Os primeiros cristãos respondiam a este momento com total conversão, após 4 anos de rígida preparação, ao caminho proposto por Cristo e se fosse o caso morrer por Ele. Dar pleno testemunho, de onde vem a palavra martírio. Martyria = testemunho

   

sábado, 9 de abril de 2011

Atentado no Realengo questões de antropologia teológica

          Nos últimos dias não paramos de ver na mídia detalhes, polêmicas, sobre o horrível atentado contra pré-adolescentes na faixa dos 12 à 15 anos de idade no RJ. Logo que começaram a sair os dados do IBOPE das emissoras não surpreendeu, pois desgraça não é de hoje que gera maior audiência.
         Agregado a isto tem também a parte de comoção da sociedade, todos querem fazer parte desta corrente, conversar, abrir o coração. Numa tragédia o Ser Humano se dá conta o quanto é frágil e finito, mas neste momento o espírito ganha força e as manifestações de solidariedade demonstram como o Amor é fundamental na vida e para continuar vivendo.
          Em vários noticiário tentam buscar explicações imediatistas para o ocorrido, principalmente com base na carta do suicida. Vi vários psiquiatras, psicanalistas e teólogos fazendo análises absolutas e constatando doenças sem nem sequer ter conhecido o morto, creio que isto no mínimo seja fora da ética profissional. Vi um no Jornal da Globo que dizia que ele era psicótico "porque fugia da realidade". Então vamos começar a averiguar todos os condomínios do Brasil, porque são um ninho de criação de psicóticos, com o mesmo perfil do Wellington; Somente ficam trancados dentro de casa ( na internet ou jogando PS3, WII, etc... ). Outra questão abordada é em relação a adesão religiosa; primeiro testemunha de Jeová, em seguida uma simpatia pelo extremismo Islâmico, junto a estas opções a morte do pai, da mãe e da avó... para completar um perfil introvertido e sem amigos. Como se não bastasse tudo isto vamos analisar o meio social onde ele vivia; bairro do Realengo, periferia do RJ, está na posição 89o em Indice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Rio de Janeiro, estado que vive uma crise de segurança pública, drogas, contrastes sociais a décadas. Realmente este rapaz se tornou doente, tinha tudo para isto, qual doença psiquiátrica tinha somente Deus sabe, porque ninguém teve tempo para tratá-lo, provavelmente nem para escutá-lo. Quanto ao relacionamento com o âmbito religioso esta é a única esperança que os pobres encontram. Tenho certeza que as famílias que sofreram o ataque estão encontrando um mínimo de consolo justamente neste âmbito e claro apoiados por outros que estão sensibilizados neste momento. Desta forma, religião, espiritualidade...nunca é uma arma, mas uma forma de se relacionar e entender a vida, mesmo que esta vida já esteja por um fio...

          No entanto, olhando para todas estas questões; que tipo de "realidade" o Wellington vivia?, em que tipo de realidade os jovens do RJ, e do Brasil, vivem? quantos se suicidam todos os dias?. Quanto a tomar uma medida extrema desta, podemos encontrar todos os tipos de bodes expiatórios para justificar a sua ação e da nossa sociedade individualista, secularista e laicista, que somente se importa com o Ser Humano quando acontece este tipo de desastre. Talvez algo dentro deste rapaz, em plena flor da idade, quisesse expressar exatamente isto: "vou me matar, mas quero ser ouvido, por todos, pelo menos uma vez na minha vida." 

terça-feira, 5 de abril de 2011

Casamento; uma instituição falida?

        Na segunda década do século XXI falar de separações parece algo comum, em tempos de sexo sem compromisso, casual, "ficar"... jovens e adultos se comprometerem está cada vez mais díficil. No entanto, tinha a impressão que pelo menos aqueles casais com esclarecimento intelectual, espiritualidade como prioridade, bem financeiramente, com mais de uma década de relacionamento não fossem passíveis desta decisão ou afetados pela sociedade ocidental totalmente dessacralizada, laicista e erotizada. Será que o casamento não tem mais relevância? é uma instituição falida?
       Devo admitir que continuo acreditando no amor, não somente naquele que é agape, cheio de fraternidade e caridade, que todo cristão tem como exemplo em Jesus Cristo, mas também naquele amor expresso por obras como Romeu e Julieta ou das Mil e uma noites.... No entanto, gostaria de saber o que foi feito daquele amor que não se suicida para ainda quando na Flor da paixão, poderíamos chamar de amor eros, acaba a estória. Onde está e quais são os exemplos que sobram para as novas gerações daquele amor de casal que persiste por 30, 40 ou 50 anos, alguém comemorará bodas de ouro no futuro? e vou além, algum casal que verdadeiramente se ame fará isto? ou ainda, somente, aqueles por se acostumar a ficar juntos ou por questões de divisão de patrimônio, para não complicar, vão até o final? Será que este modelo não criou a decepção com a instituição? Estar juntos apenas por obrigação? Um compromisso cego e sem alma? As novas gerações não aceitam isso de forma alguma.
        Vimos nas últimas décadas vários exemplos de casais que chegam a comemoração das diversas bodas, mas com grave desconfiança dos mais jovens se estes foram felizes. Pois não inspira-os a viver a mesma história. Isto certamente se deve também pela eterna insatisfação humana, poderíamos dizer que é devido ao famoso pecado original, que nos arrasta para aquilo que não queremos ou que pelo menos não é a Vontade de Deus, mas sim a uma atitude individualista, egoísta, soberba...inspiradas e motivadas pelo Inimigo.
        O casamento se tornou uma instituição falida? Talvez seja como a Grécia de nossos tempos, remete-se a uma bela tradição, não somente pela plasticidade da arte, mas pela construção do intelecto ocidental, que originou a língua que foi composto o Novo Testamento, desta forma uma tradição que permanecerá eterna. Mas.... para realidade pós-moderna como a Grécia é vista? Um lugar economicamente desfavorável, bom para passar um período de férias, mas de modo algum criar raízes. Mesmo sendo responsável pelos melhores fundamentos da humanidade o que nos sobrou de lá na prática foi a libertinagem intelectual picurista, hedonista e por fim a velha e tradicional libertinagem sexual. Uma instituição sagrada como o casamento virará apenas escombros assim como o que sobrou dos templos sagrados gregos? ou ainda tem salvação pois é sacralizado nas palavras em grego, dos originais evangélicos?

quarta-feira, 23 de março de 2011

Padre, sou Judia

           Estamos chegando à metade da Quaresma, excelente momento para realizarmos retiros e intensificar na proposta de Jejum, Caridade e Oração. Neste final de semana estarei no retiro de silêncio da Opus Dei, fica numa chácara em São José do Pinhais-PR, onde realiza-se a inclusão de jovens carentes no mercado de trabalho, na área hoteleira, gratuitamente. O custo do Retiro é revertido para manutenção do local. 
           Este tipo de local é a cara do seu fundador Josémaria Escrivá, que tinha como proposta a santidade no trabalho, na vida comum, que confere com a declaração posterior do Concílio Vaticano II onde se propôs que todo povo de Deus é chamado a ser Santo, não apenas os religiosos. Realizar no cotidiano da vida a proposta do evangelho; de buscarmos ser "perfeitos como o Pai é". 

          Homenagem a São Josemaria Escrivá. Neste video responde a uma moça Judia que quer se converter ao catolicismo.


quinta-feira, 17 de março de 2011

Pensamentos pós modernos na "Idade das trevas" ?!

Vejamos algumas citações interessantes de um tal Hugo de São Vitor;

Como chego a perfeição?

    " 1. com estudo
      2. com meditação (reflexão)
      3. com oração
      4. com ação (caridade e ensino)
      5. e finalmente contemplação "

Como o estudante deve agir?

                 "primeiro, não tenha como vil nenhuma ciência e nenhuma escritura
                  segundo, não se envergonhe de aprender de ninguém
                  terceiro, quando tiver alcançado a ciência não despreze aos demais."
                 "Muitos se enganaram por quererem parecer sábios antes do tempo,
                 pois com isto se envergonharam de aprender com os demais o que ignoravam,
                 tu porem meu filho, aprende de todos, de boa vontade, aquilo que desconheces."

                 "Portanto nenhuma ciencia tenha como vil, porque toda ciencia é boa."

Qual método?

                "Aquele que diante de uma multidão de livros não guarda o modo e a ordem de leitura,
                 como que andando em circulo numa floresta perde-se do reto caminho."

 O Prazer de estudar?!

                "Saibas também que não chegarás ao seu propósito se, movido por um vão desejo de ciência,                 dedicar-se as escrituras obscuras, e de profunda inteligencia, nas quais a alma mais se preocupa, do que se edifica."

                 "Como gostaria de mostrar àqueles que se puseram ao estudo por amor da virtude, e não das letras, o quanto é importante para eles, que o estudo não lhes seja causa de aflição, mas de deleite."


                   Talvez isto poderia ter sido escrito posteriormente ao Iluminismo racionalista?! mas, infelizmente para alguns, foi na Idade Média, na "Idade da Trevas"...

                   Homenagem ao ilustre desconhecido cujos escritos ajudaram no desenvolvimento da Razão ocidental e nas Universidades recém fundadas pela Igreja Católica, que ensinavam Teologia, Medicina e Direito.

                   Citações retiradas do livro Didascalicon de studio legende escrito em 1127 d.C pelo monge saxão Hugo de São Vítor, um dos responsáveis pela pedagogia Vitoriana. Teólogo que também influenciou a sistematização da Antropologia Teologica (O estudo do homem do ponto de vista da relação com Deus).

sexta-feira, 11 de março de 2011

Quaresma...

Tempo da Graça "Quaresma"!

    Iniciamos na quarta-feira de cinzas mais um período da Quaresma em nossas vidas. A média de vida do brasileiro está em 73 anos. Se pensarmos que a partir dos 13 anos de idade, quando já tivemos nossa iniciação básica cristã e nossa capacidade de abstração pode compreender o que é a Quaresma, teremos em média apenas 60 oportunidades de vivenciar este período, que culmina com o rito de rememoração da Paixão de Cristo.

    Poucas chances, em toda nossa existência sobre a face da Terra, para compreender verdadeiramente o que é a vida em Cristo, a Vida de conversão...
    O primeiro ponto a se refletir é o significado da quarta-feira de cinzas "Do pó viemos e ao pó voltaremos." Nos reconhecermos como criaturas finitas e frágeis, suscetíveis a variação hormonal, emocional, fisica e financeira... Querer se fazer forte, independente de todos os outros seres humanos é o erro básico, para caminhar rumo a auto destruição. A proposta da Quaresma é um convite para que todos os cristãos de braços dados se fortaleçam no caminho da conversão, no caminho da Verdade, no caminho da Vida que é Jesus Cristo.

    A Igreja aconselha que à exemplo de Jesus Cristo, que se submeteu no deserto durante 40 dias a oração,  jejum e finalmente as tentações, assim também nos propormos a práticas de oração, jejum e caridade.
  Deus não precisa destas práticas, para nos salvar ou dar Graças. Isto ele oferece de forma gratuita para nós. No entanto, se alguém nos oferece um presente mas não estamos olhando para pessoa, não estamos voltados para ela ou pior; nem sequer estamos próximos dela, como receberemos este presente?

  Caminharmos juntos nestas práticas intensificadas de oração, jejum e caridade servirá para nos aproximarmos mais de Deus e estarmos sensíveis e ao mesmo tempo atentos, como soldados em tempo de guerra, para quando o Senhor quiser que sejamos seu instrumento. Sendo assim, eu não consigo sozinho, mas estou pronto, vamos juntos?

Vamos debater sobre sustentabilidade e meio ambiente?

segunda-feira, 7 de março de 2011

O Ritual

Filme "O Ritual" e afins

    Neste final de semana assisti o filme "O Ritual". Logo que saí do cinema com minha esposa e um casal de amigos senti que estamos em guerra. Na verdade duas formas de guerra. Uma é de linhas ideológicas a outra é transcendental.
     A primeira guerra se refere aos ataques sucessivos que os meios de comunicação adeptos do laicismo e ateísmo ceticistas estão realizando contra as religiões. Devo admitir que os fundamentalistas religiosos cooperam para fomentar isto. No entanto, quem sofre é a maioria das pessoas que professam uma fé de forma equilibrada. As mentes são bombardeadas de informações como: "Deus está morto" , "quem tem fé é ignorante.", "se não é provado, não é verdadeiro.", "viva a vida hoje, carpie diem", "faça o que queres", "a Igreja é a Inquisição", "a Igreja é as cruzadas" , "a Igreja ocultou a verdade" , "a Igreja é contra a ciência"..... Os heróis, claro, são os cientistas materialistas, os bruxos, os ocultistas ou se projeta a algum tipo de mundo de fantasia que nenhuma religião tradicional tem acesso e que remetem a conteúdos míticos gregos, nordicos, etc.... A maioria dos filmes que assisti tinha estes temas, na verdade os filmes mais populares no mercado tem estes temas.
    Algumas semanas atrás pensei; porque a Igreja não reage, porque as ordens religiosas e pessoas multimilionárias que professam uma fé, e que é a maioria da população mundial, não reage...cogitei a possibilidade de que a não reação fosse um padrão de santidade...Buda permitiu ser apedrejado, Jesus permitu ser Crucificado....mas assisti dois filmes um fraco, que se chama "O último exorcismo" e outro que este sim fiquei admirado acertou em cheio. 
      "O Ritual" com o excelente ator Anthony Hopkins e a atriz brasileira Alice Braga mostra o que a religião, e mais precisamente, a Igreja Católica tem de poderosa a favor de humanidade. Um poder que tras consigo a história, pelo menos do centro-ocidente do mundo, e sua sabedoria. Mostra que quando se trata do Sagrado não é embasado em crendices. Aliás pode até haver crenças populares, mas fica nas camadas iletradas. Quando o debate se torna aprofundado todos os recursos são utilizados, desde os melhores especialistas à equipamentos tecnológicos. O gênero do filme foi colocado como terror, mas acho que ficaria melhor classificado como utilidade pública; de como se trata o estudo religioso, sobre como a Igreja vê fenômenos demoníacos e a seriedade que lida com eles. Claro que como em qualquer filme tem cenas que são esdrúxulas "o padre atender o celular no meio de um exorcismo foi uma delas" totalmente desnecessário, se era para mostrar o quão comum era aquilo foi apelativo demais, poderia ter passado a mesma informação de uma forma sutil, quase jogou o filme no lixo por causa desta cena. No entanto, o final foi genial várias concepções teológicas foram abordadas. 
       A partir de agora peço que o leitor que não assistiu retome a leitura após vê-lo, caso queira assumir o risco advirto que entrarei em detalhes sobre o final do filme.
        
       O filme é embasado numa história real do livro de Matt Baglio, um jornalista americano que acompanhou o padre Gary Thomas. O filme mostra as angústias da vida de um sacerdote, principalmente o celibatário. Além do turbilhão de mensagens subliminares e indução que toda população mundial sofre para se pensar da forma mais racionalista e cética possível. Daqui a pouco até a poesia irá morrer, porque como manter a sensibilidade mais básica sendo racionalista e cético para tudo. Ouvir uma declaração de amor será impossível, pois exigir que a pessoa prove vai ser um debate sem fim. O que estou querendo dizer com estes exemplos é que até mesmo um religioso fervoroso pode sofrer destas "noites escuras" , ausência de fé, vazio de Deus... isto é uma realidade e são expressões conhecidas dos místicos. No final do filme a discussão se aprofunda quando o protagonista é colocado na situação em que responde todas as suas perguntas, em que a obviedade do transcendente se torna gritante e ele tem que se decidir. Aí que o problema se torna maior, porque ele descobre que o problema está em primeiro lugar nele mesmo, em ele acreditar em si próprio antes de acreditar em alguma coisa. Uma afirmação de que o cético é um inseguro sobre si mesmo, que precisa provar tudo que está em volta para poder caminhar. 
       Neste momento a mocinha surge, para desempenhar um papel que é importantíssimo na teologia cristã; não conseguimos fazer nada sozinhos, pois somos frágeis, precisamos da comunidade e esta inicia-se no casal, na amizade, no amor ao próximo. Resgatada sua confiança em si mesmo ele encara o desafio, que é bater de frente com o mal, mas este busca convencê-lo que tudo que aconteceu em sua vida, todos os erros, era para encaminhá-lo para ser servo do demônio. Esta artimanha é citada por vários místicos na história da Igreja, e fora dela, que o maligno utiliza para escravizar os seres humano, de forma menos explícita claro Finalmente, utilizando Santo Agostinho na decisão crucial, o padre afirma que acredita no Demônio, mas que também agora acredita em Deus e de livre arbítrio escolhe. Exorcisa-o em nome de Seu Filho Jesus Cristo e confirma sua fé de forma plena, tornando-se um verdadeiro convertido e confirmando seus votos de sacerdote.
      Sinceramente, gostei do filme e tanto minha esposa quanto meus amigos, que não são católicos fervorosos, também gostaram muito. Espero que os produtores com viés religioso continuem caprichando nestas obras, está cheio de histórias de santos esperando por produções cinematográficas mais dignas, filmes sobre a história da fundação das primeiras universidades e dos hospitais pela Igreja Católica na Idade Média. O atendimento de leprosos principalmente pelos Franciscanos, o ensino Marista e a historia de Marcelino Champagnat e muito mais... que inspire a juventude e a humanidade na Verdade.
   

sexta-feira, 4 de março de 2011

"Carnis Valles" ou simplismente Carnaval, festa cristã?!

    O Carnaval como elemento da história se formou como festa popular que antecipa o tempo da Quaresma. Quaresma é o período de reflexão sobre a vida cristã, o ser cristão. Onde mantém-se o foco na oração, penitência e caridade. Relembrando os 40 dias de meditação e tentação sofrida por Nosso Senhor Jesus Cristo.
     Este período prepara-nos para semana santa, que culmina no momento máximo da Revelação Divina em Jesus, sua morte na cruz e ressurreição. Pensar que o carnaval pode-se tudo, para purgar na Quaresma, é um equívoco ou imaginar que sendo cristão, principalmente católico, pode-se fazer tudo, que depois basta me confessar que fica tudo ok! contradiz o ser convertido. Se ainda fazemos tudo o que o mundo nos oferece e que sabemos nos levará ao caminho do erro é hora de rever a nossa conversão. Pois a consequência dela é agirmos como modelo em Cristo e buscando "ser perfeitos como o Pai é." Somos profetas em potencial de Deus, mas seremos falsos profetas se nossos frutos não forem coerentes com a profissão de fé. Esta conversão vem por meio da nossa fé e Graça de Deus. 
     Desta forma não se trata de reprimir desejos ou o instinto humano, mas canalizá-los, por Dom, ofertado por Deus, de auto conhecimento e auto preservação. Citando o caro Prof. DR Agenor Brighenti "Deus se propõe, bate a nossa porta. Mas a fechadura para abri-la está do lado de dentro." ou  em João  "Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo." Ap (3,20).  Excelente momento este da Quaresma, para renovarmos nossa conversão e no sábado de Aleluia o rito do batismo. Por fim, relembrando as palavras do convertido Paulo : 1Co (6,12)

   "Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma."


Abaixo se tiverem curiosidade algumas explicações sobre a origem do carnaval e como fazer o cálculo da data;
     "A festa carnavalesca surgiu a partir da implantação, no século XI, da Semana Santa pela Igreja Católica, antecedida por quarenta dias de jejum, a Quaresma. Esse longo período de privações acabaria por incentivar a reunião de diversas festividades nos dias que antecediam a Quarta-feira de Cinzas, o primeiro dia da Quaresma. A palavra "carnaval" está, desse modo, relacionada com a ideia de deleite dos prazeres da carne marcado pela expressão "carnis valles", que, acabou por formar a palavra "carnaval", sendo que "carnis" do grego significa carne e "valles" significa prazeres.
MardiGrasPaull1897Cover.jpg
    Em geral, o carnaval tem a duração de três dias, os dias que antecedem a Quarta-feira de Cinzas. Em contraste com a Quaresma, tempo de penitência e privação, estes dias são chamados "gordos", em especial a terça-feira (Terça-feira gorda, também conhecida pelo nome francês Mardi Gras), último dia antes da Quaresma.[4] Nos Estados Unidos, o termo mardi gras é sinônimo de Carnaval.
   O carnaval da Antiguidade era marcado por grandes festas, onde se comia, bebia e participava de alegres celebrações e busca incessante dos prazeres. O Carnaval prolongava-se por sete dias na ruas, praças e casas da Antiga Roma, de 17 a 23 de dezembro. Todas as actividades e negócios eram suspensos neste período, os escravos ganhavam liberdade temporária para fazer o que em quisessem e as restrições morais eram relaxadas. As pessoas trocavam presentes, um rei era eleito por brincadeira e comandava o cortejo pelas ruas (Saturnalicius princeps) e as tradicionais fitas de lã que amarravam aos pés da estátua do deus Saturno eram retiradas, como se a cidade o convidasse para participar da folia.

   No período do Renascimento as festas que aconteciam nos dias de carnaval incorporaram os baile de máscaras, com suas ricas fantasias e os carros alegóricos. Ao caráter de festa popular e desorganizada juntaram-se outros tipos de comemoração e progressivamente a festa foi tomando o formato atual.
   
   Todos os feriados eclesiásticos são calculados em função da data da Páscoa[5], com exceção do Natal. Como o domingo de Páscoa ocorre no primeiro domingo após a primeira lua cheia que se verificar a partir do equinócio da primavera (no hemisfério norte) ou do equinócio do outono (no hemisfério sul), e a sexta-feira da Paixão é a que antecede o Domingo de Páscoa, então a terça-feira de Carnaval ocorre 47 dias antes da Páscoa."

   Fonte: Wikipedia
   

quarta-feira, 2 de março de 2011

Fazer teologia tem que ter poesia

   Desde que o conheci na adolescência tinha como modelo, por sua simplicidade e sensibilidade. Morreu pobre e dizia que nem mesmo filhos deixaria para o mundo, apenas sua poesia. Para mim, o maior dos poetas brasileiros e nem sequer entrou para Academia Brasileira de Letras.

    "O amor é quando a gente mora um no outro."  Mario Quintana




   

terça-feira, 1 de março de 2011

Teologia do pluralismo religioso



     José María Vigil é teólogo espanhol claretiano, naturalizado nicaraguense e que vive atualmente no Panamá. É o responsável pela Comissão Teológica na América Latina da Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo (ASETT/EATWOT) e colabora com o sítio Servicios Koinonía, além de coordenar todos os anos a edição da "Agenda Latino-Americana Mundial". Estudou teologia em Salamanca e em Roma, e psicologia em Salamanca, Madri e Manágua, e é doutor em educação em novos paradigmas pela Universidade La Salle de San José,Costa Rica. Dentre seus livros, destacamos Teologia do pluralismo religioso. Para uma releitura pluralista do cristianismo (Paulus, 2006, 469 páginas).





IHU On-Line – Em 2011, será realizada a oficina "Religiões e Paz: A visão/teologia necessária para tornar possível uma Aliança de Civilizações e de Religiões para o bem comum da humanidade e a vida no planeta", dentro da programação do FSM. Qual o objetivo de fundo para propor este debate hoje?

    José María Vigil – Em Dakar, o Forum Social Mundial terá duas frentes de atividades. Uma será pública e aberta, organizando e realizando "atividades autogestionadas" como as que farão outras muitas entidades e movimentos. E outra frente será um "seminário de elaboração teológica", uma atividade própria e interna, com a participação de teólogos e teólogas vindos de todo o mundo, representando entidades, movimentos, universidades, associações, para dar uma contribuição de produção teológica mesmo, que versará desta vez sobre o futuro da teologia.
    A oficina "Religiões e Paz" pertence à primeira frente de atividades do Forum Mundial Teologia e Libertação no FSM, e é uma das mais de dez oficinas semelhantes, sobre temáticas diferentes, devidas à iniciativa do FMTL. A realização concreta dessa oficina foi encomendada à ASETT ou EATWOT e já começou na sua fase que podemos chamar de “telemática”.

O objetivo de fundo é fazer avançar o aprofundamento da consciência que todos nós temos cada vez mais clara da urgência de pôr as religiões a trabalhar juntas pela paz do mundo e pelo bem-estar da vida no planeta. É um tema que já se tornou lugar-comum nas últimas décadas: as religiões não dialogam; coexistem simplesmente, não conseguem apagar os muitos focos de conflitos inter-religiosos que ainda ardem no mundo atual e não se dão conta de que a emergência ecológica na qual estamos é provocada por um sistema social, por ideologias e por concepções sobre a nossa relação com a natureza, elementos que, em boa parte, têm sido criados pelas religiões. Essa oficina programada pelo FMTL quer questionar, em um foro tão amplo como o FMS, a necessidade de conscientizar sobre essa problemática, de elaborar a "visão ou teologia necessárias", e não de nos acostumar à falta atual de diálogo.


IHU On-Line – E qual seria a conjuntura concreta ou o aspeto concreto ao qual ela se dirige?

     José María Vigil – Dentro desse grande objetivo, a oficina "Religiões e Paz" quer se concentrar no aspeto profundo e interno, diríamos teológico. Não quer ser uma conversa sobre as condições sociopolíticas conjunturais atuais das possibilidades do diálogo e da paz, mas das condições internas que permitem ou bloqueiam o diálogo das religiões, além ou antes de as condições sociopolíticas permitirem. Quer dizer: o grande problema ou obstáculo para as religiões se falarem, dialogarem, se unirem... não é externo, mas sim interno. É ideológico, teológico, epistemológico até.
    Mesmo que duas religiões estejam em boa vizinhança, com frequência não dialogam, nem podem dialogar. Podem se levar bem e, no máximo, como se viu claramente em Assis, podem se convocar para rezar juntas em uma mesma cidade, mas em separado, e fazer depois uma fotografia todas juntas, mas só até aí. Diálogo religioso mesmo – perguntarem-se mutuamente a respeito do que pensam de si e das outras, tentar encontrar os elementos "homeomórficos" (que têm uma função semelhante) em cada uma delas e que talvez compartilham, se estudarem mutuamente, se perguntarem sobre o que poderiam e deveriam fazer juntas para animar a humanidade a se superar e a superar o momento atual –, isso, infelizmente, não está sendo feito. Estão paralisadas. Nenhuma sabe como se poderia fazer.
    E têm alguma coisa dentro que as continua paralisando: o complexo de superioridade, a convicção de ter a verdade total e não poderem apreender nada das outras, a consciência de serem cada uma "a única religião verdadeira" ou "a melhor", ou aquela à qual todas as outras devem vir a se converter... Não podem dialogar mais do que em aparência formal.

Fórum Social Mundial e Fórum Mundial Teologia e Libertação( FMTL )


   Um balanço do Fórum Social Mundial e do Fórum Mundial Teologia e Libertação. Entrevista especial com Cleusa Andreatta
   O próximo Fórum Mundial de Teologia e Libertação deverá investir em fóruns locais e regionais, mantendo a articulação em rede com os diferentes contextos via internet, prevê a teóloga gaúcha.


   Abaixo uma parte da entrevista com a teóloga, colocações bastante pertinente para o desafio que os seres humanos terão para os próximos anos. A entrevista completa está na indicação de fonte.





IHU On-Line – Como é possível, a partir das discussões do FMTL, pensar uma teologia do pluralismo religioso?

    Cleusa Andreatta – A teologia do pluralismo religioso esteve presente do FMTL junto de outros temas abordados. Algumas questões e situações aí vividas e evidenciadas sinalizam alguns aspectos a se ter em conta.
Estivemos num contexto de presença muçulmana majoritária e não conseguimos a participação de nenhum muçulmano em nosso fórum de teologia. Encontramos algumas respostas práticas para isso, mas permaneceu uma pergunta aberta pelas razões dessa ausência. Entretanto, Dacar/Senegal tem como característica uma convivência pacífica e respeitosa entre cristãos e muçulmanos, com importantes situações de colaboração na vida cotidiana. Penso que uma teologia “formal” do pluralismo religioso deve debruçar-se sobre experiências concretas de encontro, convivência e diálogo inter-religioso como essa e tirar as consequências para a reflexão teológica.
    A questão do pluralismo foi abordada em diferentes momentos em conexão com outros temas tratados no Fórum. O insistente destaque a termos como pluralidade, pluralismo, diversidade, diferenças, interculturalidade ao longo de todo o fórum e em relação a diversos temas e questões, aponta para uma teologia do pluralismo religioso que deve desenvolver-se na intersecção ou em interlocução com outras questões como paz/violência, crise ecológica, gênero, cultura/interculturalidade, entre outras.
    Além disso, o FMTL, de diferentes modos, tornou presente a diversidade de experiências religiosas. As experiências das pessoas e comunidades estão estreitamente vinculadas ao contexto concreto de suas vidas, onde se entrelaçam as diversas dimensões do seu existir cotidiano e se consolidam as condições de possibilidade das estruturas de sentido. Uma teologia do pluralismo religioso precisa tratar com profundo respeito e reconhecimento as diferentes experiências religiosas, em sua singularidade na aproximação ao mistério de Deus. Por outro lado, destaca-se de novo que toda a teologia precisa ter sempre presente o que aprendemos da teologia negativa e apofática: o Mistério de Deus não se deixa limitar por nenhuma experiência ou conhecimento que dele podemos ter. Esse reconhecimento mantém a abertura da fé para reconhecer as possibilidades de Deus se manifestar e ser reconhecido em diferentes experiências religiosas.



sábado, 26 de fevereiro de 2011

A Moralidade é Ouro


   A sociedade está povoada de notícias que comprovam o quanto a corrupção e a desonestidade estão corroendo relações, provocando prejuízos irreversíveis na vida de cidadãos e de famílias, com sérios comprometimentos sociopolíticos. A confiança que se deposita em pessoas, no exercício de suas responsabilidades funcionais e ofícios, está e certamente continuará sendo abalada. O mesmo ocorre também na relação com as instituições, que têm tarefas de proteção aos direitos e à integridade de todos, constituídas para proteger o bem público, garantir a ordem e a justiça. Quando menos se espera, estouram aqui e ali acontecimentos que provocam decepção e generalizam a insegurança. Não se esperam conivências interesseiras dos que têm tarefa de garantir a justiça. Conveniências que comprometem a vida de jovens e de outros que têm seus sonhos inviabilizados de maneira irreversível.
    As providências que governos, instituições e outras instâncias da sociedade precisam e devem tomar diante de fatos graves no tecido social e cultural, não podem retardar mais a consideração da moralidade como ouro na história de todos. Esse cenário com suas violências, desmandos, corrupções, tráficos e outras condutas imorais, é origem de tudo o que esgarça o tecido moral da cidadania. Valor que é a base para vencer seduções e ter força para permanecer do lado do bem, com gosto pela justiça e fecundo espírito de solidariedade. É imprescindível redobrar a atenção quanto à moralidade que baliza a vida de cada indivíduo e regula suas relações. É urgente e necessário avaliar o quanto o relativismo tem emoldurado critérios na emissão de juízos, na formatação de discernimentos, trazendo direções equivocadas e prejudiciais nas escolhas, tanto no âmbito privado quanto no exercício da profissão, da política e de outras ocupações na sociedade.

Fonte: CNBB autor: Arcebispo de BH Walmor Oliveira de Azevedo

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

A difícil tarefa de ser teólogo

     Muitos estranham o fato de que, sendo teólogo e filósofo de formação, me meta em assuntos, alheios a estas disciplinas como a ecologia, a política, o aquecimento global e outros.
    Eu sempre respondo: faço, sim, teologia pura, mas me ocupo também de outros temas exatamente porque sou teólogo.
    A tarefa do teólogo, já ensinava o maior deles, Tomás de Aquino, na primeira questão da Suma Teológica é: estudar Deus e sua revelação e, em seguida, todas as demais coisas “à luz de Deus”(sub ratione Dei), pois Ele é o princípio e o fim de tudo. Portanto, cabe à teologia ocupar-se também de outras coisas que não Deus, desde que se faça “à luz de Deus”.
   Falar de Deus e ainda das coisas é uma tarefa quase irrealizável. A primeira: como falar de Deus se Ele não cabe em nenhum dicionário? A segunda, como refletir sobre todas as demais coisas, se os saberes sobre elas são tantos que ninguém individualmente pode dominá-los?
   Logicamente, não se trata de falar de economia com um economista ou de política como um político. Mas falar de tais matérias na perspectiva de Deus, o que pressupõe conhecer previamente estas realidades de forma critica e não ingênua, respeitando sua autonomia e acolhendo seus resultados mais seguros.
  Somente depois deste árduo labor, pode o teólogo se perguntar como elas ficam quando confrontadas com Deus? Como se encaixam numa visão mais transcendente da vida e da história?
   Fazer teologia não é uma tarefa como qualquer outra como ver um filme ou ir ao teatro. É coisa seríssima pois se trabalha com a categoria”Deus” que não é um objeto tangível como todos os demais. Por isso, é destituída de qualquer sentido, a busca da partícula “Deus” nos confins da matéria e no interior do “Campo Higgs”. Isso suporia que Deus seria parte do mundo.
   Desse Deus eu sou ateu. Ele seria um pedaço do mundo e não Deus. Faço minhas as palavras de um sutil teólogo franciscano, Duns Scotus (+1308) que escreveu:”Se Deus existe como as coisas existem, então Deus não existe”. Quer dizer, Deus não é da ordem das coisas que podem ser encontradas e descritas. É a Precondição e o Suporte para que estas coisas existam. Sem Ele as coisas teriam ficado no nada ou voltariam ao nada. Esta é a natureza de Deus: não ser coisa mas a Origem das coisas..."
por Leonardo Boff em 21/02/2011 fonte no link: